Festa Com o Domínio de Jorge lança ComDomínio Cultural

Manifestações culturais de diferentes grupos movimentaram a Praça da Harmonia, Gamboa, no Dia de São Jorge, 23 de abril. A festa “Com o Domínio de Jorge” marcou o lançamento do ComDomínio Cultural da Região Portuária do Rio de Janeiro. Para o coletivo, que iniciou com 23 integrantes, a nova dinâmica da região atraiu mais produtores culturais interessados em espaços para criação e exposição de seus trabalhos. O Blog Porto Maravilha conversou com Lígia Veiga, diretora da Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades, uma das signatárias. O grupo nasceu em São Paulo há 32 anos e veio para o Rio há seis. Seus espetáculos de rua chamam atenção pela presença de artistas em pernas de pau. Com sede na Rua Pedro Ernesto 21,  oferece oficinas de dança nas alturas, costura e estandartes. Lígia conta que, a partir de agora, o ComDomínio vai promover uma festa todo mês em um espaço público da região com a participação de todos os integrantes do coletivo.

Roda de capoeira com Mestre Graúna foi uma das atrações da festa

Roda de capoeira com Mestre Graúna foi uma das atrações da festa

Como surgiu a ideia de formar o ComDomínio?

Queríamos criar uma rede para garantir políticas públicas e fortalecer nossas atividades na região. Entramos em contato com a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp) para mostrar nosso plano de trabalho conjunto e montar um calendário anual de eventos. A ideia foi bem recebida e incentivada. Afinal, é mais fácil dialogar e formar parcerias com um coletivo bem organizado. Começamos a trabalhar no fim do ano passado. Lançar o ComDomínio no dia de São Jorge tem grande significado.

Hoje participam 23 signatários. Quem organizou o grupo?

Começamos com a reunião de amigos do Afoxé Filhos de Gandhi, Bloco Escravos da Mauá, Casa Amarela, Centro Cultural Ação e da Cidadania, Feira de Artes Porto do Rio em Harmonia, Instituto de Pesquisa e Memória dos Pretos Novos, Instituto FIM e nós, da Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades. Depois chamamos pessoas com trabalhos semelhantes.  São propostas diferentes, mas temos em comum o amor à arte e a vontade de fazer uma coisa boa na Região Portuária.

A partir de agora, quem responde pelo ComDomínio?

Não somos uma empresa e nem queremos ser. Nós nos organizamos de maneira horizontal. Qualquer um de nós pode responder às questões que aparecerem, e elas serão levadas ao conhecimento dos outros em reunião. Toda semana nos reunimos para conversar, planejar e acertar detalhes.

Cortejo Triunfo de São Jorge atraiu espectadores  do MAR à Praça da Harmonia

Cortejo Triunfo de São Jorge atraiu espectadores do MAR à Praça da Harmonia

Por que foi relevante para vocês formarem um coletivo?

Acredito que todos os participantes sabiam da necessidade desse instrumento, do grupo. Trabalho com teatro e enxergo a força da coletividade. De alguma forma, um precisa do outro. Pode ser com apoio, espaço físico ou ideias. No dia 25 de julho de 2012, fizemos uma festa com música, dança e apresentação do espetáculo “O Dia Fora do Tempo”. Foi uma prévia do que estava por vir. Com o tempo, nós nos unimos e levamos a ideia para a frente de verdade, “oficializamos” esse projeto.

Como foi a reação dos moradores ao evento?

As ruas ficaram muito movimentadas, e as pessoas se envolveram. Os bares e restaurantes estavam cheios. Rodamos panfletos e cartazes nas gráficas da vizinhança. Queremos que o dinheiro circule por aqui. No caso da Cia de Mystérios, quando apresentávamos nossas peças nas ruas, poucos moradores vinham. Esse movimento tem crescido e hoje a participação é bem maior.

Quais atrações o público pôde curtir no dia do lançamento?

Iniciamos em um cortejo lindo, com todos os condôminos e a presença de muitos moradores. Saímos do MAR às 10h, passamos pela Rua Sacadura Cabral e nos concentramos na Praça da Harmonia. Depois do Caldo de Pinto do Instituto Pretos Novos, a programação foi intensa até o fim do dia: Saga de Jorge com a Companhia de Mystérios, Roda de Capoeira com o Mestre Graúna, Tambor de Crioula com as Mariocas, Vozes do Cais com o Coletivo Utensílios Domésticos, Conexão Carioca de Rodas na Rua e Roda de Samba com os Teimosos da Gamboa… Bonito e muito emocionante.

O ComDomínio promoverá um evento com os 23 integrantes todo mês

O ComDomínio promoverá um evento com  participação dos 23 integrantes todo mês

Como coletivo cultural, que atividades o grupo pretende desenvolver?

Todo mês promoveremos um evento com a participação dos condôminos. O modelo é parecido com o do dia do lançamento. Podemos ter peças teatrais, rodas de samba e de capoeira, exposições e oficinas. Estaremos todos conectados e ajudando nos eventos de cada um. Em maio, teremos a segunda edição da festa. Disponibilizaremos a programação completa em breve. Já é certo que contemplará datas importantes, como Festa Junina e Dia de Todos os Santos.

Para você, que tipo debenefícios a criação do ComDomínio trará aos moradores?

A união entre grupos locais e poder público mostra a vontade de garantir a cultura da e para a população. A reurbanização da região é necessária justamente nesses moldes, com diálogo e respeito ao que já existe aqui. O patrimônio imaterial desse lugar nos impulsionou. Queremos acolher, na Praça da Harmonia, todas as manifestações culturais que existem há anos aqui. E isso é para todos. Gosto de fazer teatro de rua porque qualquer pessoa pode assistir. É uma atividade que marca a vida de alguém, que transforma. Sou do lema “quanto mais arte, melhor”.

Texto: Yara Lopes

Fotos: Nicole Freeman Fotografia / www.nicolefreeman.net

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em desenvolvimento, Entrevistas, eventos, projetos

Jornalismo centenário

No mesmo ano do fim da  Ditadura Militar, 1985, Acurcio de Oliveira comprou o jornal especializado em Economia Monitor Mercantil. Fundado em 1912, imprimia edições em mimeógrafo, máquina  de mais de um século que permitia tiragens em grande escala. Há 100 anos circulando de segunda a sexta-feira, com conteúdo voltado ao profissional da área financeira, o jornal vende hoje  20 mil exemplares por dia. O Blog Porto Maravilha visitou a sede do Monitor Mercantil, à Rua Marcílio Dias, 26, próximo à Central do Brasil. Oliveira, diretor-presidente do jornal, apresentou a redação e detalhou como a empresa de comunicação hoje faz parte do seleto grupo de 28 companhias nacionais que passaram dos 100 anos.

Acurcio de Oliveira dirige o Monitor Mercantil há 27 anos

Acurcio de Oliveira dirige o Monitor Mercantil há 27 anos

Como é dirigir um jornal centenário?

Fazemos agora parte de um clube de 28 organizações  nacionais que conseguiram completar o centenário. É bastante tempo. Colocar um jornal na rua não é fácil, mas estamos felizes. Compramos o controle acionário em 1985. À época, a publicação era em formato tabloide. Meu filho, Marco de Oliveira, estudava Jornalismo e redesenhou o jornal em formato maior. Começamos a trabalhar e, quando vi, já éramos centenários.

A sua história com o Monitor Mercantil começou antes, em outro grande jornal, A Última Hora. Como o senhor chegou até aqui?

Passei a minha vida inteira em redação. Para ver como eu sou antigo, trabalhei com Samuel Wainer no jornal A Última Hora. Trabalhei depois na revista de Arte Senhor e em um jornal esportivo. Fiquei na Manchete por 10 anos, mais envolvido na administração. Depois, fui para O Globo. Desde 1955, mantive também uma empresa de comunicação e, com ela, tive muito contato com publicações internacionais. Acredito que a experiência mais marcante foi com a Revista Forbes, para a qual trabalhei como representante no Brasil por 33 anos.

IMG_8191

Jornalistas trabalham na redação em dois turnos

 

Como se deu a decisão de comprar o Monitor Mercantil?

Meu amigo Ary Carvalho comprou o Monitor Mercantil em 1976. A ideia era o Última Hora ser um jornal mais popular e fazer com que o Monitor conversasse com empresários, abraçando público maior. Ele gostou da ideia, mas acabou não levando para a frente. Quando ele resolveu  se desfazer do jornal e ofereceu, eu já estava envolvido e aceitei.

O que  motivou a vinda da redação do Bairro de Fátima, no Centro, para a Região Portuária?

Estamos aqui desde 1992, após reforma do prédio que comprei três anos antes, em 1989. A decisão de vir para cá surgiu com a necessidade de espaço para o maquinário de impressão. Nesse endereço, a redação ganhou os primeiros computadores, que não cabiam na sede anterior.

Qual a importância de ter o parque gráfico no mesmo endereço da redação?

Tínhamos que rodar o jornal fora. Primeiro, trabalhávamos com a gráfica do Última Hora. Mas o jornal foi vendido, e a máquina seguiu para Belo Horizonte (MG). Tivemos de imprimir no Jornal dos Esportes, mas passamos por maus bocados. Em dia de jogos importantes, o jornal ia para a rua muito atrasado. Um dia, resolvi comprar uma máquina. Apesar de sermos um jornal antigo, nunca tínhamos comprado nada. O banco não aceitou o financiamento. Tive que me virar sozinho. Importei a máquina da Suécia. Imprimir aqui nos deu mais tranquilidade. E essa máquina roda o Monitor Mercantil até hoje.

Máquina que veio da Suécia imprime em diferentes formatos

Máquina que veio da Suécia imprime em diferentes formatos

Como é a rotina do jornal?

Somos um veículo pequeno, mas o trabalho para colocar o jornal na rua é quase o mesmo de um grande. Temos jornalistas na redação em dois turnos. Colunistas, analistas e colaboradores enviam os textos de casa. Eu fico mais na parte administrativa e o Marco de Oliveira, meu filho, dirige a redação. Uma turma de cinco pessoas chega no fim da tarde para cuidar da impressão. Depois tem a entrega nas bancas e nos endereços de quem é assinante. Diferentemente da maioria, o que não temos aqui é o repórter de setor, porque somos um jornal de Economia.

Texto e fotos: Yara Lopes

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Porto em romance

A decadência das fazendas cafeeiras de Vassouras, interior do Rio de Janeiro, faz com que o jovem Isaltino Gomes busque na capital oportunidade de emprego. Assim começa “Atrás do Porto, uma Cidade”, romance de Marcelo Schwob que conta histórias e curiosidades sob o ponto de vista dos habitantes da Região Portuária do início do século XX. Em vez de lançar um livro de pesquisa, o autor inova e faz do romance uma oportunidade de lembrar grandes figuras históricas e do mundo literário. Em entrevista ao Blog Porto Maravilha, Schwob fala de sua ligação com a Zona Portuária, tema de seu projeto atual, bairro em que estudou e trabalha há 33 anos. O lançamento do livro será amanhã, 12 de abril, às 12h, no encontro Sextas Culturais promovido pelo Instituto Nacional de Tecnologia (INT), à Avenida Venezuela 82, Saúde.

A riqueza de história e da cultura da Região Portuária despertou o interesse do autor Marcelo Schwob

A riqueza de história e da cultura da Região Portuária despertou o interesse do autor Marcelo Schwob

Qual é a história de seu livro?

O livro é um romance histórico ambientado no início do século XX. São as lembranças do negro Isaltino Gomes que, por conta da decadência dos cafezais, vem para a capital em busca de oportunidade. Ele relembra sua vida e fala sobre parentes e amigos que frequentaram a região. No livro, Isaltino conta também a história do INT, que tem 90 anos e é uma das instituições públicas de tecnologia mais antigas do País. A ideia é  abordar o cotidiano de habitantes da cidade e evolução social, destacando grandes figuras, como João do Rio, Lima Barreto, Machado de Assis, , João Candido, o almirante negro e herói nacional líder da Revolta da Chibata, André Rebouças, engenheiro de grande importância que dentre outras coisas projetou o prédio da Ação e Cidadania na Avenida Barão de Tefé…

Durante as pesquisas qual foi a história mais curiosa ou a que mais te chamou atenção?

Uma de minhas bases foi o livro “Religiões do Rio”, do João do Rio. Nele temos as religiões atuantes da época. A Região Portuária ganha destaque como a de maior diversidade religiosa, com a presença de budistas e judeus, por exemplo. Acredito que por ter sido uma área com desenvolvimento isolado da cidade permitiu maior liberdade de expressão aos praticantes de tais religiões. Outro fato interessante é que muitos portugueses também moravam por aqui e eram muito próximos dos negros. Exemplo disso é o registro da presença de portugueses nas rodas de capoeira e ainda a introdução, por eles, da navalha na dança.

Você é formado em engenharia e trabalha no INT. Quando começou a escrever?

Não sei de onde ou como isso surgiu. Trabalho com Engenharia no instituto há 33 anos, mas independentemente disso gosto muito de história e sou curioso sobre a cidade. Comecei a escrever aos 45 anos e hoje estou com 57. Desde então, produzo contos, crônicas e memórias. Lancei sete livros, mas nenhum deles têm editora. Faço tudo por conta própria. Mando imprimir cerca de 100 exemplares e reúno no Restaurante Gracioso (em obras de restauração após incêndio em 2011) na Rua Sacadura Cabral. Chamo parentes e amigos para confraternizar. Se tem demanda, imprimo mais.

O que o motivou em relação ao tema atual, a história da Região Portuária?

Esta região em particular me atrai por conta da riqueza de história e da cultura.  Estudei no Colégio São Bento, na Rua Dom Gerardo, e trabalho há 33 anos no INT, na Avenida Venezuela. Ou seja, fui testemunha das transformações ocorridas na área. O livro se passa entre os anos de 1915 e 1980 e aborda mudanças sob o ponto de vista do cidadão comum do Porto. Busquei informações e inspiração em livros de História, registros e fotos da época, mas, principalmente, no que ouvi de antigos moradores, trabalhadores e pessoas que habitam a região. A maioria dos relatos está presente no livro.

Romance lembra grandes figuras históricas e do mundo literário

Romance lembra grandes figuras históricas e do mundo literário

Mesmo sendo morador de Laranjeiras, passou grande parte da vida na Zona Portuária. E quais são as suas memórias?

Tenho muitas lembranças. No início dos anos 60, quando minha família viajava de férias pegávamos o ônibus para Macaé na Rodoviária Mariano Procópio,  hoje  endereço da Escola do Olhar do Museu de Arte do Rio (MAR). À época, porta de entrada e saída da capital do País, tinha importância muito grande. Não havia quem não passasse por ali, tinha ônibus com destino para todo o Brasil. Outra lembrança de infância é a do cheiro de maçã no ar entre os Armazéns 1 e 3. As frutas chegavam da Argentina e ali eram transportadas em esteiras para carregar os caminhões.

Como a degradação da Região Portuária influenciou a vida da cidade?

Esse movimento de resgate por aqui é muito justo, mas demorou muito. Presenciei o gradativo movimento de abandono da região. Esse processo vem desde a construção da Avenida Presidente Vargas, que isolou a área antes mesmo da Avenida Francisco Bicalho e do Viaduto da Perimetral.  Na minha opinião, houve o isolamento físico do Porto do Rio. Com a expansão da Zona Oeste da cidade, o processo de degradação só aumentou. Mesmo assim, há um fator positivo: acredito que  o distanciamento permitiu a preservação de casarios e prédios antigos. Por isso, faço do livro uma homenagem à área tão rica e de personagens tão importantes.

Quem se interessar pelo livro como pode comprar?

O livro “Atrás do Porto, uma Cidade” estará à venda por R$ 40,00 no Sextas Culturais no INT amanhã. Estão todos convidados para o lançamento. Quem se interessar  pode entrar em contato comigo pelo email marcelo.schwob@gmail.com.

Texto e fotos: Mariana Aimée

3 Comentários

Arquivado em Entrevistas, Uncategorized

Ginásio Experimental – Arte em tempo integral

Aulas em período integral, música ambiente nos corredores e paredes coloridas. A Escola Municipal Vicente Licínio de Cardoso, na Rua Edgar Gordilho, Saúde, começou o ano letivo de 2013 como Ginásio Experimental de Artes Visuais. A iniciativa  da Prefeitura do Rio implantou nos mesmos moldes três escolas voltadas ao esporte, os Ginásios Experimentais Olímpicos. O Blog Porto Maravilha visitou o colégio e bateu um papo com a diretora adjunta Lucimara Mantovani Espinola.  Na instituição, selecionada  há  dois anos por sua proximidade ao Museu de Arte do Rio (MAR),  alunos e professores vão trabalhar atividades  integradas ao novo complexo cultural da Região Portuária.

Imagem

Alunas trabalham em tear na aula de textura

O que significa ser um Ginásio Experimental de Artes?

Em primeiro lugar, estudar em um Ginásio Experimental significa que o aluno passa a frequentar a escola em horário integral, das 8h às 16h. Nesse tempo, eles têm café-da-manhã, almoço e lanche. Além das aulas regulares, oferecemos aulas eletivas. Como somos vocacionados para Artes Visuais, essas eletivas são ateliês. Temos nove opções: Artes Gráficas, 3D, Textura, Desenho, Cor, Pintura, Outras Mídias, Novas Tecnologias e Seres e Natureza. Cada um escolhe a aula que mais lhe atrai. Assim, alunos das três turmas, do 7º, 8º e 9º ano do Ensino Fundamental, trabalham juntos.

O ginásio foi incorporado à rotina da escola. O que foi necessário mudar para a adaptação ao novo modelo?

Antes de começar o ano letivo organizamos reuniões para avisar aos pais sobre as alterações. Eles assinaram um termo de compromisso para acompanhar o rendimento dos alunos. Agora, os professores são polivalentes nas disciplinas. Contratamos mais docentes de Arte. Hoje, temos nove.

Trabalhos dos alunos no ateliê de 3D

Trabalhos dos alunos no ateliê de 3D

Como se dá a integração Ginásio-MAR?

A ideia inicial da secretária de Educação, Claudia Costin, era criar um colégio dentro da Escola do Olhar. Como não foi possível, surgiu a opção de adotar uma escola do entorno, como um Colégio de Aplicação do MAR. Levaremos alunos e professores para aulas e capacitação lá, e receberemos o pessoal do MAR aqui. Haverá uma boa troca.

Além dos ateliês, quais são as atividades desenvolvidas com os alunos?

Eles recebem reforço escolar nas matérias em que apresentam mais dificuldade e participam dos programas Projeto de Vida e Protagonismo Juvenil. O primeiro desenvolve o tipo de ser humano que cada um quer ser, em trabalho que começa na primeira semana de aula e é desenvolvido com o professor ao longo do ano. Eles definem o que esperam da escola e de suas vidas como um todo. O segundo programa objetiva alcançar o conhecimento sobre si mesmo e sobre o ambiente. Assim, eles podem melhorar a escola e o relacionamento com os colegas.

Imagem

Aula de História da Arte com a professora Kate Lane, que também está à frente do ateliê Outras Mídias

É preciso algum processo especial para a inscrição dos alunos?

Nesse ano, fizemos apenas rematrícula, normalmente. As poucas vagas que sobraram foram preenchidas pela matrícula digital. No ano que vem, esperamos que os alunos já venham com a intenção de estudar Artes. Outras escolas poderão indicar alunos que se encaixam nesse perfil.

Para você, qual é a importância de ter o MAR e o Ginásio Experimental de Artes Visuais na Região Portuária?

Apesar de ter ficado muito tempo abandonada, a região  é berço da cultura do Rio de Janeiro. Temos aqui muita história, música, arquitetura. Local  ideal.

Texto e fotos: Yara Lopes

2 Comentários

Arquivado em Entrevistas, projetos, Uncategorized

Série Mobilidade Urbana: BRT TransBrasil ligará Deodoro ao Santos Dumont

O novo sistema de mobilidade da Região Portuária vai introduzir novas vias, reestruturar as atuais e ainda prevê integração entre os modais de transportes para aperfeiçoar a circulação e diminuir o número de ônibus e carros na área central.  Em entrevista ao Blog Porto Maravilha, Carlos Roberto Osório, secretário municipal de Transportes que assumiu a pasta em um dos momentos mais “movimentados” da cidade por obras e transformações, detalha como o BRT TransBrasil vai se integrar ao novo sistema de mobilidade urbana em construção pelo Porto Maravilha.

Um dos aliados desta nova concepção de mobilidade, o corredor expresso BRT TransBrasil ligará Deodoro ao Aeroporto Santos Dumont, passando pelas avenidas Presidente Vargas e Francisco Bicalho.  O objetivo do sistema é desafogar o trânsito e diminuir o tempo de viagem ao Centro do Rio. De acordo com Osório, as obras devem começar no primeiro semestre deste ano e vão requerer dose extra de paciência e mudança de comportamento do carioca.

Exemplo de BRT articulado que circula em faixa exclusiva

Exemplo de BRT articulado que circula em faixa exclusiva

De que maneira o BRT TransBrasil vai contribuir para a revitalização da Região Portuária?

O BRT significa a reorganização do sistema de tráfego a partir da redução do número de carros e ônibus convencionais circulando na região. O objetivo do BRT é tornar-se um meio de transporte de alta capacidade. As linhas intermunicipais vindas dos municípios da baixada fluminense serão divididas nos terminais Margaridas e Missões e as linhas municipais serão divididas nestes terminais e no terminal Deodoro, e também ao longo da Av. Brasil junto as estações projetadas no seu eixo. Desta forma a frota de ônibus das linhas intermunicipais e municipais (radiais vindas da Zona Norte pelo eixo da Av. Brasil) que se dirige ao centro será substancialmente reduzida. A redução pode chegar até 1.200 veículos.

As projeções indicam que 900 mil passageiros devem usar o TransBrasil por dia, que será integrado ao Veículo Leve Sobre  Trilhos (VLT). Os dois meios serão a espinha dorsal do transporte da Região Portuária. Com isso, estimulamos o uso do transporte público e desafogamos o tráfego. Consequentemente, reduzimos o número de carros e o tempo de viagem em área tão importante como a do Porto do Rio.

Quando o sistema entra em operação? Qual o custo e o cronograma de obras?

Meio de transporte de alta capacidade, o TransBrasil está orçado em R$ 1,5 bilhão, sendo R$ 1,129 bilhão financiado pelo governo federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento da Mobilidade Urbana (Programa de Aceleração do Crescimento). A previsão é a de que as obras se iniciem este ano, com previsão de conclusão em 30 meses. O corredor terá 32 quilômetros, com quatro terminais, 28 estações e 15 passarelas.

Qual o trajeto do BRT na Região Portuária e Centro?

O BRT Transbrasil seguirá pela Av. Francisco Bicalho, onde se integrará com o VLT do Porto nas estações Gasômetro e Leopoldina. Passa depois pela Av. Presidente Vargas até alcançar a Rua 1º de Março com destino ao Terminal Santos Dumont. No Centro e Região Portuária, o projeto hoje prevê pontos no Gasômetro, Leopoldina, Cidade Nova, Sambódromo, Campo de Santana, Saara, Uruguaiana e Candelária.

Traçado do BRT TransBrasil no Centro e Região Portuária

Traçado do BRT TransBrasil no Centro e Região Portuária

Como o TransBrasil se insere no novo conceito de mobilidade do Porto Maravilha? De que maneira o BRT estimula a população a optar pelos meios coletivos de transporte?

O BRT trabalha com a conexão dos bairros de fora para dentro do centro da cidade. A flexibilidade do projeto permite que a população tenha uma terceira opção para a chegada à área Central. No caso específico da Região Portuária, o TransBrasil atuará com os pontos do VLT, que desempenha papel de distribuição dos passageiros pelos bairros e entorno. Ou seja, o BRT será o meio mais rápido e mais barato de transporte para chegar ao Centro.

O sistema de transporte público da cidade passa por uma série de transformações, especialmente nas regiões Portuária e do Centro. A retirada da Perimetral é marco de uma dessas mudanças urbanas. Como conciliar essas obras e prazos à circulação na área?

Nos próximos anos, a população vai enfrentar transtornos no trânsito. Nosso trabalho é para que os impactos sejam os menores possíveis. Por isso, trabalhamos com a Companhia de Desenvolvimento da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp) e com a Concessionária Porto Novo. Mas também é preciso que haja uma mudança de comportamento por parte dos cariocas. Isso significa priorizar o transporte público. Teremos que ter paciência para passar por todas as mudanças.

Texto: Mariana Aimée

8 Comentários

Arquivado em desenvolvimento, Entrevistas, projetos

Santo Cristo ganha em cultura, esporte e educação

A requalificação da Rua Pedro Alves, no Santo Cristo, ganhou forte aliado na última semana. O Instituto Carioca de Desenvolvimento (ICD), organização social que oferece atividades culturais, esportivas, educacionais, de qualificação profissional e de inclusão social, inaugurou sede na Região Portuária. Além de calendário próprio de eventos, o instituto apoia manifestações de outros grupos e empresta seu espaço a parceiros. Desde o dia 7 de março, o ICD recebe crianças, jovens e adultos na Rua Pedro Alves 126. Margareth Bastos, presidente do instituto, fala sobre cursos gratuitos de auxiliar administrativo, garçom, teatro e alfabetização de jovens e adultos oferecidos para moradores.

Turma pronta para as aulas de teatro, que acontecem toda terça e quinta-feira

Turma pronta para as aulas de teatro, que acontecem toda terça e quinta-feira

Por que vocês decidiram trazer a organização para a Região Portuária?

Essa é uma área ainda carente de ações sociais. Percebemos a necessidade de atuação com a população daqui. O Porto Maravilha está mudando a Região e, em alguns anos, teremos muitos turistas e visitantes. É importante que os moradores não se sintam excluídos desse processo, estejam preparados para a nova fase.

Com apenas uma semana de funcionamento, quais atividades já são desenvolvidas?

Segundas e quartas-feiras, temos oficina de desenho; terça e quintas-feiras, teatro; sextas, modelo e manequim. Trabalhamos para que não haja conflito com o horário escolar. Por isso, temos dois turnos para cada oficina. Funcionamos de segunda a sexta, das 9h às 18h.

Brinquedoteca recebe crianças que acompanham irmãos mais velhos ou pais

Brinquedoteca recebe crianças que acompanham irmãos mais velhos ou pais

Qualquer pessoa pode participar ou as oficinas são apenas para crianças?

Qualquer morador da Região Portuária pode se inscrever nas oficinas. Tivemos uma procura maior por crianças, mas estamos abertos também para jovens e adultos. A idade mínima é a de 7 anos. Ainda assim, muitos trazem irmãos mais novos, que não tem com quem ficar. Eles acabam participando das aulas, ou brincando na brinquedoteca.

O que mais é oferecido pelo instituto?

Temos parceria com o programa Senac na Comunidade, com dois cursos. Após pesquisa com a própria população, optamos por oferecer formação em auxiliar administrativo e garçom. São 30 vagas por curso, para jovens de 16 a 24 anos. As aulas serão diárias a partir de abril. O Senac tem também um balcão de empregos e o nosso objetivo é colocar no mercado pelo menos metade dos alunos formados. Programamos em breve oferecer aulas de Alfabetização de Jovens e Adultos. Queremos trazer oportunidades para pais e filhos.

Há algum projeto específico para as mulheres?

Percebemos que muitas mulheres trabalham nos barracões de escola de samba ajudando a customizar fantasias. Queremos promover um curso profissionalizante de corte e costura. Elas poderiam, então, aproveitar a demanda do carnaval e trabalhar como costureiras ao longo do ano. Vamos incrementar a biblioteca para que funcione também como videoteca. Hoje, já disponibilizamos vídeos, no computador mesmo, para que as crianças tenham acesso a esse tipo de cultura. Elas ficam mais calmas e atentas.

Como vocês sustentam a instituição?

Recebemos apoios de empresas privadas. Também temos muitos voluntários, como os professores das oficinas e as meninas do administrativo. Mantemos um bazar de bijuterias, roupas e acessórios. Vendemos o que recebemos e o dinheiro é usado para ajudar na manutenção do espaço. Estamos abertos a doações, não só financeira. Aceitamos livros, brinquedos, roupas, móveis e mão-de-obra voluntária.

Bazar, com roupas e acessórios, ajuda a manter a instituição

Bazar, com roupas e acessórios, ajuda a manter a instituição

Já são 43 alunos inscritos. Como vocês divulgam o trabalho?

Vamos às associações de moradores, pregamos cartazes nas kombis, divulgamos no boca a boca. O que mais fizemos até agora, e tem funcionado bem, é o contato com as escolas. Vamos até lá e pedimos para falar do nosso trabalho nas salas de aula. Em seguida, muitas crianças aparecem aqui querendo participar. Para fazer a inscrição, precisam estar acompanhadas do responsável. Queremos que os pais conheçam o que fazemos aqui. Para isso, vamos oferecer um café da manhã no dia 27 de março para apresentar a instituição.

O que já foi possível perceber em uma semana de funcionamento?

É muito bonito ver as crianças crescendo, se desenvolvendo. As meninas da oficina de modelo e manequim já melhoraram a higiene, a postura e o modo de se vestir. No Teatro, vão perdendo a timidez, conseguem falar sem medo para várias pessoas. Queremos trabalhar com as escolas e ver como as nossas atividades ajudam no desenvolvimento em sala de aula.

Texto e fotos: Yara Lopes

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Porto Maravilha instala balcão de informações na Av. Venezuela

Atualmente, as obras do Porto Maravilha totalizam 33 diferentes frentes de trabalho. São intervenções de infraestrutura urbana, no sistema viário e em equipamentos públicos. Para tirar dúvidas e tranquilizar moradores e trabalhadores que passam pelos locais e não sabem o que tem atrás dos tapumes, a Concessionária Porto Novo, contratada pela Prefeitura do Rio para executar obras e prestar serviços na área, passará a atender de segunda a sexta-feira em um balcão de informações na Av. Venezuela. O Blog Porto Maravilha conversou com Claudine Soares, coordenadora de Responsabilidade Social da concessionária, sobre a importância do serviço e a possibilidade de instalação de mais balcões espalhados pela região.

Canteiro de obras da Avenida Venezuela, onde funcionará o primeiro balcão de informações

Canteiro de obras da Av.Venezuela, onde funcionará o primeiro balcão de informações

Qual tipo de informação poderá ser encontrada no balcão?

O objetivo do balcão de informações na Av. Venezuela é esclarecer as principais dúvidas da população do entorno, que são principalmente sobre as detonações para construção dos túneis do Binário e da Via Expressa. As perguntas variam entre os horários, o que é uma detonação, o passo a passo da ação e operação, o porquê das sirenes e as medidas de segurança da obra. Caso o esclarecimento da dúvida vá além das informações que o funcionário sabe, ele anotará a solicitação e os dados do cidadão para retornar com a resposta o mais breve possível. Quem preferir, pode também tirar dúvidas pelo telefone gratuito 0800 880 7678.

A partir de quando o serviço vai funcionar e em que horário?

O balcão será aberto na segunda quinzena de março. Funcionará de segunda a sexta-feira, das 5h às 14h. Não há tempo determinado para o funcionamento. Permaneceremos no local enquanto houver dúvidas e necessidade de informar à população.

Quem pode ir ao balcão tirar dúvidas?

Balcão de Atendimento

Qualquer pessoa que passar pela área, de moradores da região e comerciantes a transeuntes.

Esse é o primeiro posto de atendimento da operação. Como surgiu essa iniciativa?

É importante esclarecer todas as dúvidas da população no entorno da obra. Neste caso, houve uma necessidade de esclarecimento à população nas imediações do Morro da Conceição sobre o processo de detonação para construção da Via Expressa.

Será contratado pessoal especificamente para trabalhar no balcão?

Sim. Um morador do Morro da Conceição foi contratado especialmente para esta finalidade. Ele já conhece os moradores e suas necessidades. Está sendo treinado pela concessionária e é um dos alunos de destaque do curso de auxiliar administrativo, oferecido para a população pela Porto Novo em parceria com a Fundação Roberto Marinho, parte do programa Porto Maravilha Cidadão.

Há expectativa de ampliação do serviço para outros canteiros?

Sim. A Concessionária está estudando a possibilidade de colocar um posto de atendimento nas frentes de obra que influenciarem mais diretamente moradores e comerciantes. Porém, ainda não há definição de qual será o próximo balcão a ser inaugurado.

Qual é a importância dessa iniciativa para a região?

Os principais fatores são transparência e facilidade na comunicação com o público envolvido. Depois, pensamos na valorização da mão-de-obra local e atendimento às demandas locais.

Texto: Yara Lopes

 

 

 

3 Comentários

Arquivado em Entrevistas, Porto Novo, projetos